Portugal

Reestruturação da dívida ou trafulhice?

7 de Dezembro de 2013 por Vítor Lima


O governo procedeu a uma reestruturação da dívida (juros e prazos) que foi apresentada pelo próprio governo e pela generalidade da comunicação social como uma operação de sucesso. Neste artigo Vítor Lima apresenta um estudo a quente de alguns dos dados dessa «reestruturação», seu significado e algumas das suas consequências. Fica claro, mais uma vez, que as reestruturações saem caras – aliás, como o povo grego já sabe há algum tempo.

Na operação de hoje [3/12/2013] o governo transferiu o pagamento de dívida de € 6.640 M de 2014/15 para 2017/18.

No exercício abaixo a que se procedeu considerou-se o prazo de maior esforço de pagamento à troika Troika A Troika é uma expressão de apodo popular que designa a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. – 2014/21 – a uma taxa constante de 5% e o valor do PIB PIB
Produto interno bruto
O produto interno bruto é um agregado económico que mede a produção total num determinado território, calculado pela soma dos valores acrescentados. Esta fórmula de medida é notoriamente incompleta; não leva em conta, por exemplo, todas as actividades que não são objecto de trocas mercantis. O PIB contabiliza tanto a produção de bens como a de serviços. Chama-se crescimento económico à variação do PIB entre dois períodos.
em 2012.

A referida operação conduz a:

  • Um alívio da tesouraria durante três anos mas que aumenta em três anos o tempo de pagamento de juros sobre aquele valor;
  • Um aumento adicional de € 100 por habitante, uma vez que no período 2014/18 os juros acumulados aumentam em € 988 milhões. Isto, se não houver novas reestruturações criativas como esta, nem novos empréstimos;
  • O governo sacode as suas responsabilidades de 2014/15 – haverá eleições em 2015 – para 2017/18, denotando que o actual convénio PSD/CDS não irá perdurar como agora. Será que esperam atrair o PS para a sociedade promotora do empobrecimento?
  • O governo pretende dourar a situação económica e financeira de Portugal, com previsões macroeconómicas infantilmente falsas e convencer «os mercados» da bondade da sua gestão;
  • Esta operação não foi certamente gratuita e permitiu comissões elevadas por parte de bancos e/ou consultores cujo montante se desconhece.

Que soluções?

  • Com ou sem a operação de reestruturação, a dívida não é pagável na sua actual dimensão, como se observa nas parcelas do PIB a comprometer com o serviço de dívida para os próximos anos.
  • Uma economia capaz de melhorar a vida da população e absorver a procura de trabalho tem de ter um crescimento razoável, superior a 3%.
  • Mesmo que se consiga um crescimento dessa ordem, num prazo que, na actual situação económica e política, não é previsível, esse acréscimo estará sempre longe de poder fazer face ao serviço de dívida.
  • Dito de outro modo, um crescimento que permita simultaneamente pagar o serviço de dívida e melhorar a vida da população, atrair os que emigraram, reduzir o desemprego e conter o empobrecimento galopante a que se assiste, esse crescimento teria de variar, no período considerado, entre 10% e 14%, o que é inimaginável.
  • Falar de reestruturação é uma burla política para ocultação da realidade por parte do governo e devido a cálculos políticos de uma oposição falsa, mansa, ou inútil, todos à margem da população.
  • Qualquer real solução para a precária situação global em que vive a esmagadora maioria dos residentes em Portugal passa por:

Já depois da publicação deste artigo no site do autor, vieram a lume mais dados (e outros certamente estão ainda por vir) que revelam alguns custos escondidos nesta operação – por exemplo, incentivos a investidores no valor de 134 milhões de euros. Além disso o estudo de Vítor Lima é feito de forma segura e por defeito (isto é, evitando a especulação Especulação Operação que consiste em tomar posição no mercado, frequentemente contracorrente, na esperança de obter um lucro. ), de forma que factores como a quebra de PIB por efeito da austeridade e consequente aumento da dívida em relação ao PIB, ou o aumento de taxa de juros, não estão contemplados na tabela acima.

Fontes e referências:

Grazia Tanta, «Reestruturação da dívida ou trafulhice?», 3-12-2013, http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/12/reestruturacao-da-divida-ou-trafulhice.html

Ana Suspiro, «Estado «dá» prémio de 134 milhões de euros a investidores que aceitaram trocar dívida», Jornal I, 4-12-2013, http://www.ionline.pt/artigos/dinheiro/estado-da-premio-134-milhoes-euros-investidores-aceitaram-trocar-divida




Vítor Lima

Vítor Lima: economista; autor de numerosos estudos sobre economia, finanças e segurança social publicados em http://grazia-tanta.blogspot.pt/. Membro activo do grupo cívico Democracia & Dívida.

Outros artigos em português de Vítor Lima (3)

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

8 rue Jonfosse
4000 - Liège- Belgique

00324 60 97 96 80
info@cadtm.org

cadtm.org