Comunicado de imprensa do CADTM internacional

Mais de 350 personalidades de todo o mundo apoiam o Manifesto "Fim do Sistema de Patentes Privadas”

10 de Junho por CADTM


Com o início de uma nova ronda de negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC), mais de 350 personalidades de todo o mundo estão a dar o seu apoio ao Manifesto Fim do Sistema Privado de Patentes! Para uma indústria farmacêutica sob controlo popular e um sistema de vacinação gratuito, universal e público, que foi lançado pela rede global CADTM e é apoiado por mais de 250 organizações signatárias, incluindo as principais redes internacionais, tais como a Marcha Mundial das Mulheres e o Movimento de Saúde Popular, listadas aqui

A lista de personalidades foi tornada pública na terça-feira 8 de Junho por ocasião da reunião da OMC, onde está a ser discutida a suspensão das patentes de vacinas. Estas patentes protegem os interesses de um pequeno grupo de grandes empresas farmacêuticas privadas e impedem uma resposta adequada à pandemia que já causou a morte de mais de 3 milhões de 745 mil pessoas.

Entre as personalidades encontram-se Noam Chomsky e Nancy Fraser dos Estados Unidos, Naomi Klein do Canadá, Arundhati Roy e Tithi Bhattacharya da Índia, Silvia Federici e Cinzia Arruza da Itália que ensinam nos Estados Unidos, líderes sindicais, líderes de associações, mais de oitenta parlamentares (da Alemanha, Bolívia, Brasil, Colômbia, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, República Checa, etc.). .) incluindo o Presidente do Senado da Bolívia e 22 membros do Parlamento Europeu. Entre os signatários, há também presidentes de câmara como o presidente da câmara de Valparaiso no Chile ou de Cádis em Espanha e muitos funcionários eleitos a nível municipal ou regional. Os chefes das notícias e revistas de opinião, assim como os jornalistas, apoiam o Manifesto. Muitos académicos subscrevem o Manifesto.

Para além das negociações em curso na OMC, os signatários afirmam a necessidade de medidas estruturais para enfrentar a crise sanitária mundial e a deterioração das condições de vida de milhares de milhões de pessoas. Os signatários declaram que «as vacinas devem ser consideradas como comuns a nível mundial.»Acrescentam que «Para assegurar a sua acessibilidade universal, a suspensão necessária e urgente das patentes deve ser acompanhada de mecanismos de nacionalização das indústrias farmacêuticas privadas e de um forte investimento no desenvolvimento das indústrias farmacêuticas públicas em todos os países.»

Os signatários sublinham que «desafios globais como uma pandemia exigem respostas globais adequadas. A economia privada, a fé cega no mercado e a procura do lucro Lucro Resultado contabilístico líquido resultante da actividade duma sociedade. O lucro líquido representa o lucro após impostos. O lucro redistribuído é a parte do lucro que é distribuída pelos accionistas (dividendos). provaram ser incompatíveis com a vida. A saúde não pode ser uma mercadoria. A reactivação da actividade económica não pode ser feita à custa da saúde ou dos direitos da maioria.»Afirmam que «A pandemia acelerou e aprofundou tendências perigosas, lacunas sociais e fenómenos multidimensionais que temos vindo a observar há décadas e dos quais as classes trabalhadoras, especialmente as mulheres e as pessoas racializadas, sofrem principalmente.»

Em relação às vacinas e tratamentos, os signatários solicitam:

  • A suspensão de patentes privadas sobre todas as tecnologias, conhecimentos, tratamentos e vacinas relacionados com a Covid-19.
  • A eliminação dos segredos comerciais e a publicação de informações sobre os custos de produção e investimentos públicos utilizados, de uma forma clara e acessível ao público em geral.
  • Transparência e supervisão pública em todas as fases de desenvolvimento de vacinas.
  • Acesso universal, gratuito e aberto à vacinação e ao tratamento.

Em relação à Grande Farmácia, os signatários exigem «A expropriação e socialização sob controlo social da indústria farmacêutica privada como base para um sistema de saúde público e universal que promova a produção de tratamentos e medicamentos genéricos.»

No que respeita aos cuidados de saúde no sentido mais lato, exigem «um aumento do investimento público e dos orçamentos atribuídos às políticas de saúde pública e de cuidados comunitários, incluindo o aumento das contratações, salários e melhores condições de trabalho para o pessoal destes sectores.»

Relativamente ao financiamento, exigem "a introdução de impostos sobre a riqueza (riqueza e rendimento dos 1% mais ricos) para financiar a luta contra a pandemia e assegurar uma saída socialmente justa e ecologicamente sustentável das várias crises do capitalismo global.

A suspensão do pagamento das dívidas soberanas durante a duração da pandemia e o cancelamento das dívidas ilegítimas e das dívidas contraídas para financiar a luta contra o vírus. «Para o CADTM, é essencial retomar a iniciativa lançada após Seattle em 1999, que afirmava firmemente que»o mundo não é uma mercadoria. A saúde também não é uma mercadoria e «outro mundo é (ainda) possível». É essencial relançar um movimento de alterglobalização a partir de uma base sólida, como foi o caso em 2000/2001.




CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org