A apropriação de conhecimentos e os lucros da Big Pharma na era do coronavírus

Parte 2 de A destruição e o açambarcamento dos bens comuns

7 de Outubro por Eric Toussaint


 Patentes, ADPIC, Big Pharma …

Não só o grande capital não partilha o conhecimento, como se apropria dele e depois cobra ao público por ele

O conhecimento, as descobertas científicas e os processos técnicos devem constituir um bem comum Bem comum Em economia, os bens comuns caracterizam-se pelo modo de propriedade colectiva, distinguindo-se da propriedade privada e da propriedade pública. Em filosofia, designam o que é partilhado pelos membros duma comunidade, do ponto de vista jurídico, político ou moral. da humanidade. No entanto, quanto mais o capitalismo se expandiu, mais favoreceu a apropriação privada de conhecimentos e técnicas, nomeadamente através do sistema de patentes. Não só o grande capital não partilha o conhecimento, como se apropria dele e depois cobra ao público por ele. Monopoliza os resultados da pesquisa realizada por universidades ou centros públicos de investigação. Também patenteia sementes que são o resultado de múltiplas seleções feitas ao longo dos séculos pelos agricultores. Por exemplo, a empresa agroindustrial Del Monte patenteou tomates produzidos pelas populações andinas e depois pretende cobrar-lhes as sementes.

O Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (ADPIC) permite às grandes empresas capitalistas reforçar o seu poder

Quando a Organização Mundial do Comércio foi criada em 1995, o Acordo sobre os Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (ADPIC) (em inglês, TRIP’s, Trade Related Intellectual Property Rights) permitiu às grandes empresas capitalistas reforçar o seu poder. Abrange áreas tão diversas como programação informática e concepção de placas de circuitos eletrônicos, produtos farmacêuticos e culturas transgênicas. Estabelece normas mínimas para patentes, direitos de autor, marcas registadas e segredos comerciais. Estas normas derivam da legislação dos países industrializados e, portanto, impõem o tipo e o nível de proteção destes países a todos os membros da OMC.

São muito mais rigorosos do que a legislação em vigor na maioria dos países em desenvolvimento antes da sua adesão à OMC e entram frequentemente em conflito com os seus próprios interesses e necessidades. É possível forçar um país a implementar o Acordo ADPIC da OMC através do sistema integrado de resolução de litígios. Na prática, isto significa que se um país não cumprir as suas obrigações Obrigações Parte de um empréstimo emitido por uma sociedade ou uma colectividade pública. O detentor da obrigação, ou obrigacionista, tem direito a um juro* e ao reembolso do montante subscrito. Também pode, se a sociedade estiver cotada na Bolsa, revender o título em bolsa. relativas aos direitos de propriedade intelectual, podem ser impostas sanções comerciais, o que constitui uma séria ameaça.

O FMI, o Banco Mundial e as grandes potências utilizaram todo o seu peso como credores para pressionar os países em desenvolvimento recalcitrantes a assinar o ADPIC

O FMI, o Banco Mundial e as principais potências utilizaram todo o seu peso, inclusive através da sua posição de credores, para pressionar os países em desenvolvimento recalcitrantes a cumprir o ADPIC. Além disso, a UE, os EUA e outros países ricos asseguraram acordos bilaterais que oferecem uma proteção de patentes ainda mais rigorosa do que as «normas mínimas» estabelecidas no ADPIC: são os «ADPIC Mais». No Comité ADPIC da OMC, desde 2020, várias grandes potências, incluindo a UE, a Grã-Bretanha e o Japão, têm-se oposto à liberação temporária das patentes de várias vacinas contra o coronavírus (ver abaixo). No que tange à administração Biden, que anunciou em maio de 2021 que era a favor da liberação temporária das patentes, não fez até agora nada de tangível para fazer avançar a questão. A principal razão é que estas patentes são a fonte de lucros gordos para as grandes empresas farmacêuticas privadas. São protegidos e favorecidos por governos que lhes permitem abusar da sua posição (ver secção 3).

As patentes geram 80% dos lucros da Big Pharma, segundo Peter Rossman

Como Peter Rossman escreveu: «As empresas farmacêuticas financiadas devem ser entendidas como organizações que gerenciam as suas operações em termos de um conjunto de ativos financeiros e não físicos. O seu principal ativo financeiro são as patentes, que geram 80 % dos seus lucros».

Ele acrescenta: «Em 1980, os EUA aprovaram uma lei que permitia às pequenas empresas e universidades patentear invenções desenvolvidas com fundos públicos. Anteriormente, estas invenções revertiam automaticamente para o governo, que as licenciava a fabricantes genéricos, ou passavam diretamente para o domínio público. As universidades e startups passaram a ser integradas num complexo de conhecimento liderado por empresas. A ’transferência de tecnologia’ transformou a pesquisa pública em patentes privadas» [1]. Rossman continua: «as empresas têm-se tornado cada vez mais financeirizadas, reduzindo as despesas ligadas à capacidade de produção, os empregados e mesmo a P&D, a fim de libertar dinheiro para distribuir aos acionistas sob a forma de dividendos e através de recompra de ações [2]. Para duas das maiores empresas farmacêuticas, Pfizer e Johnson and Johnson, os gastos ligados à recompra de ações e dividendos entre 2006 e 2015 excederam o seu rendimento líquido total».

Entre 2006 e 2015, a Pfizer devolveu 131 mil milhões de dólares aos seus acionistas

«Voltaram-se para o mercado de empréstimos para financiar os crescentes rendimentos dos investidores e executivos, utilizando os seus ativos de propriedade intelectual como garantia». Durante este período 2006-2015, a Pfizer devolveu 131 mil milhões de dólares aos seus acionistas enquanto gastava 82 mil milhões de dólares em P&D [3].

 À luz da pandemia do coronavírus

Na OMC, 62 países, liderados pela Índia e pela África do Sul, propuseram a dispensa das obrigações dos estados membros em matéria de patentes ligadas à covid-19

Desde a propagação global da pandemia, o debate sobre patentes tornou-se central. Na OMC, 62 países, liderados pela Índia e África do Sul, propuseram que fossem dispensadas as obrigações dos estados membros ligadas ao acordo ADPIC, que se aplica a todos os produtos necessários para a prevenção, contenção e tratamento da covid-19. A proposta continua bloqueada na OMC, em parte devido à recusa da Comissão Europeia em seguir o parecer do Parlamento Europeu, que votou duas vezes a favor da liberação das patentes de vacinas [4].

 Uma dose dupla de desigualdade

Trate-se de uma questão vital, literalmente, porque se as patentes forem mantidas, uma proporção muito grande da população do Sul global que queria ser vacinada não terá acesso às vacinas em tempo útil. Em agosto de 2021, menos de 2 % dos 1,3 mil milhões de pessoas de África estavam totalmente vacinadas, em comparação com mais de 60 % das populações da Europa Ocidental e da América do Norte. Desde junho de 2021, um quarto das 2,295 mil milhões de doses aplicadas a nível mundial foram aplicadas nos países do G7, onde residem apenas 10 % da população mundial. De acordo com dados recolhidos por um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, em setembro de 2021, apenas 2,1 % da população dos 27 países de baixa renda receberam uma dose de uma vacina anti-covid [5]. Cerca de 700 milhões de pessoas vivem em países de baixa renda.

Dos 5,76 mil milhões de doses aplicadas em todo o mundo, 0,3 % foram para países de baixa renda

De acordo com a Amnistia Internacional, menos de 1 % da população recebeu duas injeções de vacina nestes mesmos países. Ainda segundo a Amnistia Internacional, que publicou um relatório em 22 de setembro de 2021, das 5,76 mil milhões de doses injetadas a nível mundial, 0,3 % foram para países de baixa renda [6]. Neste relatório sugestivamente intitulado «Uma Dose Dupla de Desigualdade»), a Amnistia Internacional denuncia o comportamento das 6 grandes empresas privadas que produzem a maioria das vacinas nos países ricos (AstraZeneca, BioNTech, Johnson & Johnson, Moderna, Novavax e Pfizer). Segundo a Amnistia: «Seis empresas controlando a distribuição da vacina covid-19 alimentam uma crise dos direitos humanos sem precedentes, ao se recusar a renunciar aos seus direitos de propriedade intelectual e a partilhar a sua tecnologia, e a maioria delas também se abstendo de fornecer vacinas aos países pobres» [7].

 O consórcio COVAX não é a resposta

Em agosto de 2021, menos de 2% dos 1,3 mil milhões de pessoas de África estavam totalmente vacinadas, em comparação com mais de 60% das populações da Europa Ocidental e América do Norte

Os governos do Sul que pretendam permitir que as suas populações sejam vacinadas terão de se endividar, porque as iniciativas do tipo COVAX são totalmente inadequadas e consolidam a influência do sector privado. A COVAX é coliderada por três entidades: 1. a Aliança GAVI (Aliança Mundial para Vacinas e Imunização), que é uma estrutura privada com participação de empresas e estados; 2. Coligação para Promoção de Inovações em Prol da Preparação para Epidemias (CEPI), que é outra estrutura privada com participação de empresas capitalistas e estados; e 3. a OMS, que é uma agência especializada da ONU.

As empresas que financiam e influenciam a GAVI incluem a Fundação Bill & Melinda Gates, a Fundação Rockefeller, Blackberry, Coca Cola, Google, a Federação Internacional de comercialização de produtos farmacêuticos (International Federation of PharmaceuticalWholesalers), o banco espanhol Caixa, o banco UBS (o maior banco privado da Suíça e o maior banco de gestão de riqueza do mundo), as empresas financeiras Mastercard e Visa, o fabricante de motores de aviões Pratt e Whitney, a multinacional americana de bens de consumo Proctor & Gamble (higiene e beleza), a multinacional holandesa-britânica de alimentos Unilever, a empresa petrolífera Shell International, a empresa sueca de streaming de música Spotify, a empresa chinesa TikTok, a empresa de automóveis Toyota, etc. [8]

Entre as empresas que financiam e influenciam a COVAX estão: a Fundação Bill & Melinda Gates, a Fundação Rockefeller, Blackberry, Coca Cola, Google, UBS Bank (o maior banco privado suíço e o maior banco de gestão de riqueza do mundo), as empresas financeiras Mastercard e Visa, a companhia petrolífera Shell

A segunda estrutura que colidera a COVAX é a Coligação para Promoção de Inovações em Prol da Preparação para Epidemias (CEPI) que foi fundada em 2017 em Davos, numa reunião do Fórum Econômico Mundial. Entre as empresas privadas que financiam e influenciam fortemente a CEPI encontra-se ainda a Fundação Melinda e Bill Gates, que investiu 460 milhões de dólares.

A composição da iniciativa COVAX fala muito sobre a abdicação dos Estados e da OMS a assumir suas responsabilidades na luta contra a pandemia em particular e na saúde pública em geral. Isto faz parte da onda neoliberal que tem varrido o mundo desde os anos 80. O secretariado-geral da ONU, como também as diretorias das agências especializadas do sistema da ONU (por exemplo, a OMS para a saúde e a FAO para a agricultura e alimentação), avançaram fortemente na direção errada durante os últimos 30-40 anos, confiando cada vez mais na iniciativa privada liderada por um pequeno número de grandes empresas com alcance global. Os chefes de Estado e de governo seguiram o mesmo caminho. Na verdade, pode se dizer que tomaram a dianteira. Ao fazê-lo, aceitaram que as grandes empresas privadas sejam associadas às decisões e favorecidas nas escolhas que são feitas [9].

A composição da iniciativa COVAX diz muito sobre a renúncia de responsabilidade dos Estados e da OMS na luta contra a pandemia, em particular, e na saúde pública, em geral

Lembramos que há mais de 20 anos que os pesquisadores da saúde e os movimentos sociais propõem que as autoridades públicas invistam somas suficientes para produzir medicamentos e vacinas eficazes contra os vários vírus de «nova geração» ligados ao aumento das zoonoses. A esmagadora maioria dos Estados preferiu contar com o sector privado e permitiu-lhe ter acesso aos resultados da investigação realizada por organismos públicos, enquanto teria sido necessário investir diretamente na produção de vacinas e tratamentos como parte de um serviço público de saúde.

Como já vimos, a iniciativa COVAX não é em nada uma solução. A COVAX prometeu fornecer, até o final de 2021, 2 mil milhões de doses aos países do Sul que as solicitaram e que estão associados à iniciativa. Na realidade, no início de setembro de 2021, apenas 243 milhões de doses tinham sido enviadas [10]. Como resultado, a meta de 2 mil milhões de doses é adiada para a primeira metade de 2022.

Todas as grandes potências do Norte ficaram aquém das promessas que fizeram

Por exemplo, a União Europeia, que se tinha comprometido a entregar 200 milhões de doses aos países mais pobres até ao final de 2021, apenas enviou«cerca de vinte milhões», como reconheceu Clément Beaune, secretário de Estado dos Assuntos Europeus do Governo francês, na terça-feira 7 de setembro [11].

O C-TAP (Covid-19 Technology Access Pool, em português Plataforma de Aceso às Tecnologias deCombate ao Covid-19) é outra iniciativa decepcionante da OMS. O C-TAP associa os mesmos atores que o COVAX.

Até a data, nenhum fabricante de vacinas partilhou patentes ou know-how através da C-TAP

No entanto, até à data, nenhum fabricante de vacinas partilhou patentes ou know-how através da C-TAP [12].

Face ao fracasso da COVAX e da C-TAP, os signatários do Manifesto «Acabemos com oSistemaPrivado dePatentes!», lançado pelo CADTM, em maio de 2021, têm razão em afirmar que: «Iniciativas como COVAX ou C-TAP fracassaram miseravelmente não só por sua insuficiência, mas, acima de tudo, porque respondem ao atual sistema fracassado de governança global com propostas em que países ricos e as multinacionais, muitas vezes na forma de fundações, procuram reconfigurar a ordem mundial a partir de seus caprichos. A filantropia e as crescentes iniciativas público-privadas não são a solução. Muito menos diante dos atuais desafios globais e em um mundo dominado por Estados e indústrias pautadas pela lei única do mercado e do lucro Lucro Resultado contabilístico líquido resultante da actividade duma sociedade. O lucro líquido representa o lucro após impostos. O lucro redistribuído é a parte do lucro que é distribuída pelos accionistas (dividendos). máximo» [13].

Voltaremos às alternativas na terceira parte desta série.

 As enormes receitas da Big Pharma

Três das maiores empresas privadas das Grandes Farmacêuticas terão receitas de 130 mil milhões de dólares até finais de 2022, o que é 20 vezes mais do que todo o orçamento de 2021 da República Democrática do Congo, que tem uma população de cerca de 100 milhões

As receitas brutas e os lucros líquidos que as grandes empresas farmacêuticas estão realizando com as patentes são colossais. De acordo com o relatório da Amnistia acima citado, três das seis maiores empresas de vacinas contra a Covid, BioNTech, Moderna e Pfizer, irão acumular 130 mil milhões de dólares US em receitas até ao final de 2022. Isto é duas vezes e meia o produto interno bruto PIB
Produto interno bruto
O produto interno bruto é um agregado económico que mede a produção total num determinado território, calculado pela soma dos valores acrescentados. Esta fórmula de medida é notoriamente incompleta; não leva em conta, por exemplo, todas as actividades que não são objecto de trocas mercantis. O PIB contabiliza tanto a produção de bens como a de serviços. Chama-se crescimento económico à variação do PIB entre dois períodos.
anual da República Democrática do Congo, que tem uma população de quase 100 milhões de habitantes. Outra comparação: 130 mil milhões de dólares é 20 vezes o orçamento da RDC para o ano 2021. Esta quantia de 130 mil milhões de dólares equivale a 2/3 do orçamento total da União Europeia para o ano 2021. 130 mil milhões é 10 vezes o orçamento de saúde da Índia para o ano fiscal de 2020-2021 [14].

Grosso modo, o custo de produção de uma dose de vacina Covid varia entre 1 e 2 euros, enquanto é comprada pelas autoridades públicas do Norte a um preço que representa entre 10 e 20 vezes este montante [15]. A Pfizer cobra ao Estado de Israel 23 euros por uma única dose e à União Europeia 19,50 euros.

De notar que o preço pago pela Comissão Europeia por uma dose de vacina Pfizer aumentou de 15,5 para 19,5 euros entre o final de 2020 e o verão de 2021. O preço do Moderna passou de 19 euros para 21,5 euros [16]. Tudo isto enquanto os custos de produção estão diminuindo. De facto, à medida que as quantidades produzidas aumentam, o custo unitário de produção diminui.

A luta pode produzir resultados positivos

A indústria farmacêutica quer-nos fazer acreditar que as suas patentes e lucros são essenciais para a pesquisa e a saúde humana. Mas o julgamento de Pretória em 2001 mostra o oposto! A indústria farmacêutica está preparada para assistir a centenas de milhares de mortes para defender os seus lucros e patentes. A África do Sul aprovou uma lei em 1997 que permitia importações paralelas, licenças obrigatórias ou substituição genérica em resposta à emergência da SIDA. As 39 maiores empresas farmacêuticas do mundo atacaram esta lei em 1998. Argumentaram que violava os direitos exclusivos conferidos pelas patentes. Uma mobilização intensa de organizações sul-africanas, incluindo a TAC, Treatment Action Campaign, veiculada em todo o mundo através de campanhas de petição e denúncia, em particular por Médicos sem Fronteiras, Aides e Act-Up, mostrou que 400.000 sul-africanos tinham morrido de VIH desde que a lei tinha sido bloqueada. Perante o escândalo mundial, os laboratórios foram obrigados a retirar a sua queixa no decorrer do processo. Nesta ocasião, o direito à saúde prevaleceu sobre o direito de patentes [17]. Um exemplo a seguir nestes tempos de covid.

Em breve: Parte 3 Coronavírus: Bens comuns mundiais contra Big Pharma

A parte 3 tratará dos seguintes pontos:

- A maior parte da pesquisa foi financiada e realizada pelo poder publico

- O exemplo de Moderna, campeã da evasão fiscal

- Governos poderiam facilmente produzir bilhões de doses de vacinas

- Lutar por quais reivindicações

O autor agradece a Christine Pagnoulle, Frank Prouhet e Claude Quémar por sua revisão e conselhos. O autor é inteiramente responsável por quaisquer erros contidos neste trabalho.

Tradução de Alain Geffrouais




Notas

[1Peter Rossman, «Les sociétés transnationales et le Covid-19. Droits de propriété intellectuelle versus droits de l’homme» [Empresas Transnacionais e Covid-19. Direitos de Propriedade Intelectual versus Direitos Humanos] https://www.cadtm.org/Les-societes-transnationales-et-le-Covid-19-Droits-de-propriete-intellectuelle e https://alencontre.org/societe/les-societes-transnationales-et-le-covid-19-droits-de-propriete-intellectuelle-versus-droits-de-lhomme.html publicado em 2 de setembro 2021.

[2As recompras de ações reduzem o número de ações em circulação, o que aumenta os benefícios por ação. As recompras aumentam a compensação executiva, cuja principal componente é a opção de compra de ações. Entre 2006 e 2015, as 18 maiores empresas farmacêuticas americanas distribuíram 99 % dos seus lucros aos acionistas, metade dos quais sob a forma de recompra. Discuti a questão da recompra de ações e do pagamento de dividendos nos EUA em Eric Toussaint, «AMontanha deDívidasPrivadas dasEmpresasEstará noÂmago daPróximaCriseFinanceira», publicado em 13 de abril de 2019.

[3Estes números citados por Rossman são de Lazonick et al, «US Pharma’s Financialized Business Model», Institute for New Economic Thinking, Julho 2017 https://www.ineteconomics.org/uploads/papers/WP_60-Lazonick-et-al-US-Pharma-Business-Model.pdf

[4Miguel Urbán Crespo, Beatriz Ortiz Martínez, «Le fait que, pour la première fois, il existe un texte du Parlement européen demandant la suspension des brevets met la pression dans l’UE», https://www.cadtm.org/Le-fait-que-pour-la-premiere-fois-il-existe-un-texte-du-Parlement-europeen

[5Our World in Data, Coronavirus (Covid-19) Vaccinations - Statistics and Research - https://ourworldindata.org/covid-vaccinations. De acordo com os dados coletados pela equipe da universidade de Oxford que mantém este site, a seguir alguns exemplos de países onde a taxa de vacinação está abaixo de 2 % em setembro de 2021: 1,6 % da população da Zâmbia, 1,6 % do Níger, 1,5 % da Somália, 1,5 % do Mali, 1,4 % do Sudão, 1,4 % dos Camarões, 1 % do Yemen, 0,69 % do Madagáscar, 0,58 % do Chade, 0,57 % da Tanzânia, 0,11 % da República Democrática do Congo.

[6EURACTIV.fr, « Covid-19: les laboratoires pharmaceutiques empêchent un accès au vaccin équitable, selon Amnesty International [Covid-19: Empresas farmacêuticas impedem o acesso justo à vacina, diz a Amnistia Internacional] », publicado em 22 de setembro de 2021, https://www.euractiv.fr/section/sante-modes-de-vie/news/covid-19-les-laboratoires-pharmaceutiques-empechent-lacces-au-vaccin-dans-les-pays-en-voie-de-developpement-selon-amnesty-international/

[7Amnesty International, « Les Big Pharma alimentent une crise des droits humains [As Big Farma alimentam uma crise dos direitos humanos]», publicado em 22 de setembro 2021, https://www.amnesty.be/infos/actualites/article/laboratoires-pharmaceutiques-alimentent-crise-droits-humains Ver o relatorio completo em inglês: https://www.amnesty.be/IMG/pdf/20210922_rapport_vaccins.pdf

[9No momento em que escrevo, está a concluir-se uma Cimeira Mundial da Alimentação convocada pelas Nações Unidas. As grandes empresas do agronegócio são convidadas e desempenham um papel importante, ainda que façam parte da causa e não da solução para a crise alimentar mundial e a crise ecológica, como denunciado por uma série de movimentos. Ver CCFD-Terre Solidaire, Cimeira do sistema alimentar: alerta sobre uma cimeira cooptada pelo setor (...) https://ccfd-terresolidaire.org/nos-publications/edm/2021/317-juin-2021/food-system-summit-7109. Ver também em inglês: The Guardian, «Corporate Colonization: Small Producers Boicote UN Food Summit», https://www.theguardian.com/environment/2021/sep/23/small-producers-boycott-un-food-summit-corporate-interests. Ver também o programa de televisão que Democracynow.org dedicou a esta cimeira a partir de Nova Iorque: https://www.democracynow.org/shows/2021/9/23

[10Ver página 5 do relatório da Amnistia Internacional, https://www.amnesty.be/IMG/pdf/20210922_rapport_vaccins.pdf, citado acima

[11Ouest France, «Covax. Seulement 20 millions de doses déjà livrées par l’Union européenne, selon Clément Beaune» (Covax. Apenas 20 milhões de doses já entregues pela União Europeia, de acordo com Clément Beaune).

[12Ver página 5 do relatório da Amnistia Internacional, https://www.amnesty.be/IMG/pdf/20210922_rapport_vaccins.pdf, citado acima

[13Tirado do manifesto «Acabemos com o Sistema Privado de Patentes!» https://www.cadtm.org/Acabemos-com-o-sistema-privado-de-patentes

[15Mathilde Damgé, «Covid-19: comprendre le prix d’un vaccin, de la recherche au flacon» (Covid-19: entender o preço de uma vacina, desde a pesquisa até ao frasco), Le Monde, publicado em 09 de Junho de 2021, https://www.lemonde.fr/les-decodeurs/article/2021/06/09/covid-19-de-la-recherche-au-flacon-comprendre-le-prix-d-un-vaccin_6083481_4355770.html

[16Rtbf e Agence Belga, «Coronavirus: Pfizer et Moderna augmentent le prix de leur vaccin pour l’Europe» (Coronavirus: Pfizer e Moderna aumentam o preço da sua vacina para a Europa), publicado em 1 de Agosto de 2021, https://www.rtbf.be/info/societe/detail_coronavirus-pfizer-et-moderna-augmentent-le-prix-de-leur-vaccin-pour-l-europe?id=10815946.

[17Fred Eboko, «Le droit contre la morale? L’accès aux médicaments contre le sida en Afrique» [Lei versus moralidade? O acesso aos remédios contra o SIDA), International Social Science Journal, 2005/4 (No. 186), pp. 789-798, https://www.cairn.info/revue-internationale-des-sciences-sociales-2005-4-page-789.htm

Eric Toussaint

docente na Universidade de Liège, é o porta-voz do CADTM Internacional.
É autor do livro Bancocratie, ADEN, Bruxelles, 2014,Procès d’un homme exemplaire, Editions Al Dante, Marseille, 2013; Un coup d’œil dans le rétroviseur. L’idéologie néolibérale des origines jusqu’à aujourd’hui, Le Cerisier, Mons, 2010. É coautor com Damien Millet do livro A Crise da Dívida, Auditar, Anular, Alternativa Política, Temas e Debates, Lisboa, 2013; La dette ou la vie, Aden/CADTM, Bruxelles, 2011.
Coordenou o trabalho da Comissão para a Verdade sobre a dívida pública, criada pela presidente do Parlamento grego. Esta comissão funcionou sob a alçada do Parlamento entre Abril e Outubro de 2015.

Outros artigos em português de Eric Toussaint (298)

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org